Total de visualizações de página

Seguidores

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Hospital Regional de Sobral será inaugurado sem funcionários.

Anunciado pelo Governo do Estado como a maior unidade de saúde do interior do Nordeste, o Hospital Regional Norte (HRN), em Sobral, terá as suas instalações inauguradas na noite de hoje. A população, no entanto, não poderá utilizar serviços do equipamento - previsto para ser entregue em setembro de 2011 - de imediato.

Conforme explica o secretário de saúde do Estado, Arruda Bastos (PCdoB), depois da inauguração, a gestão do hospital passará para o Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar (ISGH), da mesma forma como ocorreu com o Hospital Regional do Cariri, que será responsável por convocar, “imediatamente”, os profissionais já selecionados pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesa). 

“Até o fim do mês, cerca de 1.250 profissionais já estarão convocados e nos seus postos”, destaca Arruda, acrescentando que, a partir daí, as marcações de consultas e de exames deverão ter início. A previsão é que todos os funcionários estejam convocados “em três ou quatro” meses. “Ele (o HRN) está implantado. Agora, será o momento de captação dos servidores e da regularização trabalhista”, completa.

A implantação dos serviços oferecidos pelo hospital ocorrerá, em sua totalidade, de acordo com o cronograma de funcionamento do equipamento, definido pela Sesa. Na primeira etapa do cronograma, diz o secretário, os funcionários receberão treinamentos, em virtude da alta complexidade da unidade de saúde. A etapa final de implantação vai se dar com a abertura da urgência e emergência.
 
Desafogamento

Para Arruda Bastos, o HRN deverá desafogar, ainda mais, a rede hospitalar de Fortaleza. “Com o Hospital Regional do Cariri já tivemos uma redução muito grande da demanda dos pacientes do HGF, IJF e César Cals. Mas o hospital da região Norte vai ter uma influência muito maior, por conta da proximidade com Fortaleza. Além disso, no Cariri, já existia oferta de serviços especializados, que Sobral não tinha”, justifica

Fonte: O Povo