Total de visualizações de página

Seguidores

domingo, 19 de agosto de 2012

Eleições 2012: Distribuição de dinheiro com eleitores é denunciada na Justiça Eleitoral de Caririaçu.

                                                   
A coligação “Agora é a Vez do Povo”, formada pelo PMDB e mais oito partidos no município de Caririaçu, que tem a frente o candidato João Marcos como candidato a prefeito, ajuizou uma investigação judicial eleitoral contra os candidatos do Partido Social Brasileiro (PSB), Acácio Leite e seu vice, Pedro Vieira de Araújo, sob acusação de distribuição de dinheiro com eleitores em via pública. Segundo a denuncia, no dia 5 deste mês, durante uma carreata do PSB na avenida Cachimbão, familiares dos candidatos e até o atual vice-prefeito do município estavam distribuindo dinheiro abertamente com as pessoas que participavam do evento.

A ação tomou por base um vídeo feito no momento da carreata, onde é possível ver e identificar claramente algumas pessoas distribuindo dinheiro com quem participava do evento político. Segundo os advogados da coligação “Agora é a Vez do Povo”, o fato em pauta é um abuso do poder econômico em detrimento da liberdade do voto. A ação foi entregue na justiça de Caririaçu às 12:53 h desta sexta-feira 17 e o juiz da 71ª zona eleitoral deve começar a agir imediatamente. Na ação são citados o filho do candidato do PSB Acácio Leite, conhecido por “Acacinho” e um sobrinho identificado por “Robertim filho de "Roberto de Tida”.

Segundo consta na denúncia, o atual vice-prefeito, Luiz Pereira Tavares, supervisionava a distribuição do dinheiro.O vídeo foi postado na internet e encaminhado a vários órgãos de imprensa do Cariri, como prova das denuncias feitas pela coligação do PMDB. Para os advogados Vantuil Matias, Pedro Esio e Jerônimo Correia, que ajuizaram a ação, não existe dúvida que houve crime eleitoral por parte dos partidários do PSB.

A ação fundamentada dentro da lei eleitoral sendo acatada pela justiça, os acusados podem ser penalizados com perca de mandato, caso venham a ser eleitos e podem ficar inelegíveis por oito anos.

Com informações da Agência Miséria